28 de ago de 2009

As 10 Celebridades maconheiras que você nunca desconfiaria (ou não).

Postado Por Abutre

Com o sucesso e polêmica da nossa enquete sobre a legalização da maconha, resolvi escrever este post para mostrar algumas celebridades maconheiras para os “pá de cal”.
Claro que nem preciso citar nomes de Bob Marley:


Quentin Tarantino:

Paz e amor...

Jack Black:

Cadê o Plim!?!?

Vários critérios foram usados para a classificação do maconheiro célebre, que também poderão ser discutidas nos comentários. Sem mais delongas vamos a tão esperada lista.

10º - Caco Ciocler


O Ator da atual novela das 20:00 que começa às 21:00 foi apreendido por Policiais e acharam uma trouxinha de maconha no carro dele quando voltava de Búzios, no Rio de Janeiro, com um amigo.

9º -Marcelo Anthony


Outro ator da globo que foi preso enquanto tentava comprar cerca de 100 gramas do entorpecente. Segundo a polícia, ele foi flagrado comprando a droga em frente a um hotel na avenida Borges de Medeiros, em Porto Alegre.

8º - Cameron Diaz



chegou a afirmar anteriormente que, quando mais jovem, costumava fumar um ou vinte baseados diários. “Só para experimentar”, disse ela.
Ela só não ganha melhor colocação porque parou de usar seus 20 baseados.

7º - Arnold Schwarzenegger

Essa é da boaaaaaa...

A sétima posição vai para o senhor Arnoldo que conseguiu se esconder por tanto tempo. O exterminador Arnold reconheceu o uso da maconha na forma medicinal, oferecendo receitas através do Estado, além de permitir que o todos pudessem ter seu próprio pé de maconha em casa. De acordo com ele: “Maconha não é droga, é uma folha”.

6º - Stephen King
Abre o olho carai

Só merece a sexta colocação pois não consegue ser tão discreto assim.
Ele luta pela legalização da maconha e ainda diz que, além de tornar-se legal, deveria ser parte de uma indústria artesanal.

5º-Megan Fox


Algumas pessoas ainda não sabem que essa bissexual de mão cheia é uma maconheira em potencial. Porém só perdeu pontos em sua colocação pois ainda se duvida da veracidade desta informação, tendo em vista que ela pode estar querendo chamar atenção.
"As pessoas me olham como se fosse uma coisa doida a ser feita, e não é. Espero que legalizem".

4- Michael Phelps



Que vergonha heim Phelps, foi pego dando um tapa na pantera e ainda fica se desculpando. Assume logo que é maconheiro. Como alguém que fumou uma vez só para experimentar teria um bong em casa?
Agora sei qual o seu segredo. Aposto que tinha uma larica do outro lado da piscina .

3º -Brad Pitt

Tá sem colírio né.

O astro Brad Pitt disse, durante o programa de TV de Bill Maher, que apesar de enrolar cigarros de maconha como "um artista", parou de usar a droga depois que teve filhos.


2º Fernando Henrique

“preciso começar a avaliar a conveniência de descriminalizar o porte da maconha para o consumo pessoal. Isso já está sendo na prática feito em muitos países”.

FHC está na vanguarda da legalização da maconha na América Latina vide a matéria aqui
Caro Fernando ... só faço uma pergunta:
Porque você não fez nada quando era presidente?!?!
E por isso você perde sua 1º colocação, pois como ex-presidente você tem bem menos chance de ganhar essa luta.


1º Michael Jackson


Sim, nossa primeira colocação vai para o astro pop que enganou muita gente a vida toda. Todo mundo achava que era uma criança eterna, quase a rainha dos baixinhos, mas ontem acharam maconha na casa em que bateu as botas. Veja a notícia aqui
Safadinho... enganou todo mundo esse tempo todo.

Aproveitando o post porque você não responde a enquete também?

- Vai lááááá maaaaaano... Responde lááááááááá... Até eu que tô doidão já respondi maaaano... Tá aqui na direita... direeeita, dereeeta, dereeeecha DERECHA!! PfffffshaUahuhUAUSAS

23 comentários:

Anônimo disse...

Burro, eles fizeram testes, não era macaonha na casa do Michael Jackson...

Anônimo disse...

QUE ABSURDO !!!
MAIQUEL DJEQUINSON nunca fumou maconha !!!
ele fumava era bosta de boi mesmo mas deixava secar antes !!!

Abutre disse...

Os Maconheiros dirão:

- Agora está explicado porque o Michael teve essas idéas bacanas nos clipes e nos passos de dança.

Os Conservadores dirão:

-Burro, eles fizeram testes, não era macaonha na casa do Michael Jackson...

Tudo depende de que versão você quer acreditar.

Anônimo disse...

http://lucashso.mybrute.com
jogo massa so criar e jogar
;D

Vítor (Admin.) disse...

LoL!
Pessoal faz uma visitinha ae?!
http://www.mundops.com.br

Harou disse...

"Jack Black"
E isso lá é surpresa?

junekinhadaweb disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKK
Amay o comentário do Gilberto Gil XD

kamilla disse...

é gente, o maichael nao usava maconha so demerol. 0.o

dede_198 disse...

Gostei do post...

Mais acho errado esse termo "maconheiro", cigarro, alcool são drogas .. Não vejo ninguem chamar o outro de cigarreiro ou alquero, tão pouco discriminando

KUAhsKAHskUHakHskS
Flw´z !

Hillary e Bill Clinton representam a geração de maconheiros que não foram para o Vietnã disse...

Para você, Hillary e Bill Clinton representam a geração de maconheiros que não foram para o Vietnã para ficar em casa fazendo esculturas da Virgem Maria com bosta de elefante, financiados com dinheiro do Foro de São Paulo.

http://napraticaateoriaeoutra.org/?p=1914

A maconha está para as outras drogas assim como a punheta está para o sexo: é por onde se começa.
Casseta e Planeta sobre maconha.

Fumar maconha causa falhas na memória e outras coisas que eu esqueci.
Marcelo D2 sobre Maconha

Seu playboy maconheiro viado de merda!!! É você que financia essa porra!
Capitão Nascimento sobre Maconha

A maconha (aka. bangh, ganja, diambra, marijuana, marihuana, baseado, erva, tora, base, banza, bauro, fumo, bagulho, fininho, chaize, cigarrinho do capeta

O Maconheiro Militante disse...

O Maconheiro Militante
segunda-feira, 14/janeiro/2008

Ele chega pra você e diz: “Você sabia que existem medicamentos cicatrizantes feitos de cânhamo?” Inocentemente, você responde que não e mostra-se levemente curioso a respeito do assunto. Pronto. Já basta. Você acaba de cair nas garras de um maconheiro militante e ele passará as próximas horas tentando convencê-lo que o THC é a substância redentora da humanidade, que fumar maconha é a coisa mais legal que alguém pode fazer sobre a face da Terra e que os rumos do planeta estão intimamente ligados à folhinha de cinco pontas.

Se você der corda, ele se sairá com um discurso tão panfletário quanto possível, dizendo mais ou menos o seguinte: “A canabis apresenta propriedades anestésicas e regenerativas bastante atuantes. Os medicamentos cicatrizantes de cânhamo foram desenvolvidos no Egito antigo onde, aliás, a erva era utilizada para produzir de tudo, de papiros a bandagens para múmias. Os cremes e bálsamos feitos da erva foram muito usados por Antônio Conselheiro durante a Guerra de Canudos para tratar dos ferimentos de seus homens. Inclusive, há registros de que o próprio conselheiro era usuário de marijuana. Isso talvez explique o grande senso de justiça do homem. Você sabia?”

Para essas pessoas a erva é a razão principal de sua existência. Tudo o que eles fazem é baseado (com ironia, faz favor.) nesta singela plantinha. Para eles, maconha é religião, é o clube de coração, o partido político, a banda favorita, a tábua de salvação. Só a fumaça salva! Não são da Herbalife, mas se dedicam à Ervalife com o mesmo fervor messiânico. Gostam de reggae, de surfe e do verde que te quero fumo.

Os maconheiros militantes são verdadeiros advogados da marofa. Nunca perdem uma oportunidade de apresentar argumentos comprobatórios definitivos que ilustram a superioridade do THC sobre todos os elementos, constantes ou não na tabela periódica. Sua retórica encontra sustentação em três alicerces básicos:
1) O Bombril Natural;
2) Importância História;
3) As legítimas que se fumam.

A teoria do Bombril Natural defende que a maconha tem mil e uma utilidades, sendo a erva mais versátil que jogador coringa, daqueles que batem escanteio e correm pra cabecear. Segundo os partidários, a versatilidade canábica é ilimitada, servindo para produzir roupas, calçados, papel, alimentos, tinturas, medicamentos, biocombustível, brinquedos, material de construção, condutores energéticos, maçanetas de porta, guarda-chuvas, baterias para celular, absorventes íntimos, escafandros e lancheiras do Bob Esponja. O aproveitamento da planta é total. Das sementes se faz tempero, das folhas se produz um delicioso chá para os nervos, do caule se confecciona móveis artesanais muito maneiros, bicho. Sacou? Só! Pode crer!

http://colunas.digi.com.br/carlos/o-maconheiro-militante/

O Maconheiro Militante (continuação.1) disse...

[Continuação.1] O Maconheiro Militante.

Não é raro, um militante chegar para afirmar toda a sorte de produtos derivados da erva. São verdadeiros catálogos mentais. E olhe que a memória deles já não é lá essas coisas. “Você sabia que existe sorvete de maconha? Você sabia que existe gravata feita de fibras de canabis? Você sabia que existe papel higiênico de cânhamo? Você sabia que nos países desenvolvidos (para dar um maior peso a sua argumentação e provar que só mesmo num país de terceiro mundo como este para que a droga seja proibida) são receitados baseados no tratamento do glaucoma/câncer/aids/gripe/insônia/falta de apetite?” Procure um maconheiro militante próximo de sua casa e ouça hoje mesmo a sua pergunta clichê “você sabia”.

Outro argumento que ganha força entre os militantes verdes é o da importância histórica da erva. Os fiéis do cânhamo estão convictos da inquestionável participação da maconha em todos os grandes momentos protagonizados pelos homens. Eles afirmam categoricamente que na Grécia, não eram galhos de arruda que ornamentavam as cabeças dos atletas vencedores dos jogos olímpicos. Eram, na verdade, galhos de canabis. A guerra de Secessão estadosunidense não teve nada a ver com algodão. Era tudo por causa das plantações de maconha dos estados do sul.

Eles defendem ainda que as cruzadas medievais também não eram bem como se diz nos nossos livros de história. Os cavaleiros partiram sim em busca do Santo Graal, mas o que todos ignoram é que tal termo era sinônimo para “Camarão Sagrado” numa clara referência à erva bendita. Amém! E aquela fumacinha que sai do Vaticano sempre que a igreja escolhe um novo Papa? Como é que vocês acham que aqueles cardeais todos mantêm a paz de espírito? A Segunda Guerra também não podia ficar de fora. Dizem que ela só terminou depois que alguns pracinhas brasileiros originais de Cabrobró, Pernambuco, levaram certos cigarros misteriosos que impregnaram a Europa com uma repentina cortina de fumaça e uma irrefreável sensação de bem-estar, além de um sono danado. Daí, todos acharam melhor promover a paz de uma vez por todas, pois guerrear dava um trabalho danado.

Ou seja, para os maconheiros militantes, o papel da erva na história humana é muito maior do que se pensa e sua relevância deveria ser mais destacada nos livros escolares. Principalmente se a página for impressa naquele papel fininho, quase um guardanapo de lanchonete que tem muito mais a ver com o contexto. O resto é estória.

O terceiro grande sustentáculo dos discursos politizados proclamados pelos maconheiros militantes é o das “legítimas que se fumam”. É que eles acham que a maconha é como as sandálias Havaianas: todo mundo usa! Basta algum nome ilustre surgir na pauta de alguma conversa para eles afirmarem cheios de orgulho que o referido era um “zé fumaça” de marca maior. Não escapa ninguém. De Shakespearre a Machado de Assis, passando por todos os líderes políticos mundiais, estadistas históricos, figuras religiosas, cosmonautas russos, grandes atores, atrizes, músicos e que tais.

http://colunas.digi.com.br/carlos/o-maconheiro-militante/

O Maconheiro Militante (final do artigo) disse...

[Continuação.2] O Maconheiro Militante.

“Bill Clinton? Fumou e aposto que tragou! Marylin Monroe? Comia com farinha! Gandhi? De onde você acha que ele tirou essa história de resistência pacífica? O Salsicha do Scooby Doo? Fala sério! Já fumei um com ele!” Segundo a teoria das “Legítimas que se fumam”, todo mundo que alcançou algum grau de projeção ou que apareceu na mídia de forma positiva é usuário de maconha. É exatamente como o slogan das Havaianas. E a maconha, assim como as sandálias, também não estica nem solta as tiras. Já quanto à questão do cheiro, eles não podem se gabar muito.

Os maconheiros militantes são dedicados, engajados e incansáveis em sua luta por um maior reconhecimento da erva pela sociedade careta e conservadora, dominada por pensamentos retrógrados e arcaicos. “Uma sociedade chapada é possível.”, dizem os ideólogos do movimento, sonhando com um mundo melhor onde todos se amem, se respeitem e não fiquem segurando o chara tempo demais nas rodinhas de baseado. Mas não é a sociedade a maior opositora política dos partidários da canabis. Essa até que tem engolido alguns metros cúbicos de fumaça com menos relutância ultimamente. O problema é a ferrenha oposição do chamado Comando Delta, um inimigo invisível, uma mega-corporação formado por políticos, exército, Polícia Federal, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Municipal, Polícia dos condomínios, seguranças de shopping, as mães dos usuários, a máfia chinesa e a Igreja Universal que se utiliza de todas as forças disponíveis para impedir o triunfo dos heróis da erva.

Mas nada os impedirá de prosseguir em sua pregação, seus discursos inflamados, sua paixão indomável, sua militância maconheira. Suas idéias se espalharão como fumaça e nenhuma estratégia nefasta da oposição, nenhuma manobra covarde e traiçoeira será capaz de arrefecer o ímpeto dos apaixonados militantes. Ninguém será capaz de cortar esse barato. Caso tentem, serão surpreendidos por uma bem articulada retórica, além de um discurso muitíssimas vezes ensaiado. Essa é a tônica. Esse é o sentimento. E eles vão à luta!

Mas só amanhã, porque hoje vai rolar uma “sessão” do bom lá no comitê do partido.

http://colunas.digi.com.br/carlos/o-maconheiro-militante/

116 comentários! (imperdíveis)

Cada um com seu deslize disse...

Inglaterra

"Fumei e traguei"

Ministra inglesa para o combate às drogas admite ter consumido maconha quando jovem.

Com os escândalos sexuais dos políticos e o aparecimento de um ou outro corrupto, os ingleses já estão acostumados. Mas até agora o governo do primeiro-ministro Tony Blair, da Inglaterra, era exemplar num tema explosivo: drogas. A máscara caiu na semana passada, quando a ministra responsável pelo combate aos entorpecentes confessou na TV que fumou maconha na juventude. "Eu experimentei, não gostei e, ao contrário do presidente Bill Clinton, eu traguei, sim", afirmou Mo Mowlam, de 50 anos. Ela só admitiu o "pecado" depois que uma ex-colega da Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, onde ela estudou no início dos anos 70, a entregou para a imprensa. Mo Mowlan é uma figura popular, com papel destacado no acordo de paz na Irlanda do Norte. Nos Estados Unidos a confissão do passado talvez fosse o suficiente para lhe arruinar a carreira. Na Inglaterra, a repercussão foi quase toda a favor da ministra. Mowlam disse que o tóxico não se tornou parte de sua vida de estudante e que continuará "lutando contra as drogas que podem matar, como a heroína e a cocaína".

Jornais e TVs do país procuraram outros políticos para saber quem teria coragem de admitir o consumo de drogas na juventude. Ninguém aceitou o desafio. Keith Hellawell, assessor da ministra no combate aos entorpecentes, lançou uma provocação. Disse que ficaria "muito surpreso" se uma parcela significativa dos parlamentares ingleses não tivesse experimentado drogas leves antes de entrar para a vida pública. Um levantamento recente com os políticos que estrearam no Parlamento na última eleição dá uma idéia: 22,5% já haviam tomado alguma droga ilegal. Como era de esperar, nenhum se identificou, mas muitos têm bastante que dizer sobre o assunto. Isso reflete, em parte, a chegada ao poder da geração que estava na universidade nos anos 60. Ficou difícil para eles negar a existência de contato – um só que fosse – com algo tão comum entre os jovens da época, como a maconha.

http://veja.abril.com.br/260100/p_059.html

Cada um com seu deslize (final do artigo) disse...

[Continuação] Ministra inglesa para o combate às drogas admite ter consumido maconha quando jovem.


O mais célebre representante dessa tumultuada geração é o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton. Ainda candidato, ele afirmou já ter experimentado maconha quando estudava na Inglaterra – mas de um jeito inteiramente inusitado. Fumou, mas não tragou, garante. A situação é mais complicada na atual corrida para a Casa Branca. A pretexto de que o eleitor tem o direito de conhecer as minúcias da intimidade do candidato, os repórteres os atormentam perguntando se usaram ou não drogas (veja quadro abaixo).

O patrulhamento da vida pessoal dos homens públicos é intenso na Inglaterra e serve de combustível para a imprensa sensacionalista. Mas a maconha transita numa faixa própria, menos polêmica que a cocaína e outras drogas pesadas. Isso decorre do lobby dos defensores da liberação do consumo. O bispo de Edimburgo, Richard Holloway, já admitiu ter dado suas tragadinhas.

O milionário Richard Branson, dono da Virgin Tobaccos, diz que passará a vender maconha quando a atividade deixar de ser ilegal. Muitos médicos querem que seu uso no tratamento de doenças, para aliviar a dor, seja liberado. Num clima desses, quem liga se a ministra fez das suas na juventude?

http://veja.abril.com.br/260100/p_059.html

Marco disse...

Isso é só 0,000001% das celebridades mas já é um começo.

Marco disse...

Isso é só 0,000001% das celebridades mas já é um começo.

Marco disse...

Isso é só 0,000001% das celebridades mas já é um começo.

Vida e Bem estar disse...

Cara poco importa se algumas informaçõe são levianas. Brother o que realmente importa é que seus posts estão otimos e é um ponto ao conhecimento geral (hehehe) nem preciso diser que sou totalmente a favor da liberação da Canabis então
meus parabéns. Forte abraço

Raimundo Nonato Silva disse...

Como diria o mestre berra da silva erva milagroza garrafada do norte.

Raimundo Nonato Silva disse...

Como diria o mestre berra da silva erva milagroza garrafada do norte.

Raimundo Nonato Silva disse...

Como diria o mestre BEZERRA da SILVA erva milagroza garrafada do norte

Anônimo disse...

Depois de exatos 1000 dias fumando maconha, quase 3 anos da minha vida, estou parando de fumar maconha hoje! Mas, apenas por um período curto de 100 dias. Afinal, devemos reconhecer que a maconha, queira ou não, causa alguns efeitos colaterais que acaba nos prejudicando. No momento, o efeito colateral mais incomodo na minha vida é a falta de motivação para crescer na vida. Dá uma preguiça... hehehehe. Portanto, vou dar uma paradinha de 100 dias para dar uma alavancada no estudo, no trabalho e por conseguinte nas finanças. E por fim um intervalo para minha memória se recuperar. Só espero conseguir suportar todo o stress com a falta dela.

Sinceramente,
Jean Christian