10 de set de 2009

Fracassos Famosos

Postado por Costela

Você é do tipo que desiste após qualquer interpérie?


É como diz o vídeo. Quem nunca falhou, nunca viveu.
Vi lá no Blog do Gudim.

2 comentários:

Anônimo disse...

Jesse vai mal nos estudos e acha que ir para a aula é um verdadeiro martírio. Seu pai vê essa situação e não se conforma com o “sofrimento” do filho. Então, faz a ele uma proposta indecorosa: não precisar mais ir a escola, desde que assista 3 filmes por semana com o ele. O menino não hesita, aceita na hora. Ou seja, Glimour propôs para seu filho receber educação exclusivamente pelos filmes. Simples assim.

Até hoje, me pergunto porque aprendi a calcular um determinante, porque tive que saber que os metais alcalinos terrosos são lítio (Li), sódio (Na), potássio (K), rubídio (Rb), césio (Cs) e frâncio (Fr) e ficam no período 1A da tabela periódica de elementos e que, para lembrar-se deles, basta seguir o macete “Li Na Kapricho, Rubinho Casou-se na França”.

Não, não tive nenhuma dificuldade com tudo isso, pelo contrário, sempre fiz o tipo de aluno exemplar, que ouve tudo que o professor fala, entende e destrói na hora da prova. Mas pra que provas? Eu tenho que provar que aprendi? Por quê?

Será que é necessário um professor, que trata centenas de alunos de maneira roboticamente igual, chamando-os por número para ticar sua presença e avaliando se eles, de fato, compreenderam as coisas que têm que saber?

E se assistimos a Lista de Shindler, O Pianista e O Resgate de Soldado Ryan, não daríamos muito mais vida a aula de história que conta como o mundo entrou em guerra pela segunda vez? National Geographics e Discovery Channel não dão de 10 em algumas aulas de biologia? Jogar Banco Imobiliário não e uma ótima forma de estimular o raciocínio matemático?

Muito do que aprendemos não está nas apostilas, na decoreba, nos macetes que os tocadores de violão, digo, professores de cursinho falam. Está na vivência, convivência e na bagagem cultural adquirida. Nos livros lidos, filmes vistos, músicas, revistas, cenas, noticiários e até blogs lidos. A figura do professor, às vezes, não é fundamental.

Claro que ela também não dispensável. Não estou dizendo para que todos nós deixemos os estudos de lado e fiquemos por ai, fazendo o que dá na telha. O que afirmo é que, há muito tempo, o ensino é uma coisa imposta. O professor vomita um conteúdo que, às vezes, nem ele entende, de uma maneira nada didática, sem envolver o aluno, explicar para que aquilo serve, de onde veio e para o que será útil no futuro. E isso, é desde o ensino básico até os cursos superiores.

Talvez, o aprendizado tenha que ser como no Clube do Filme, sem nenhum tipo de regra, norma ou rigidez. Oriunda de uma fonte de entretenimento, mas ainda sim com muito conteúdo. Que não haja provas e nem chamada. Que a presença não se seja obrigatória, mas sim voluntária. E, principalmente, que o diploma que se ganhe de o título de “ser pensante” antes de qualquer outro cargo.

http://www.salvearainha.com/muito_alem_da_sala_de_aula/

Anônimo disse...

Para quem não sabe, moro em um bairro considerado periferia de Curitiba. Fica a 11 quilômetros do Centro e 17 de onde trabalho. Como não tenho carro, vou de ônibus. O que resulta em mais de uma hora dentro dos coletivos lotados. Nesse caso, ler é um ótimo passatempo.

Readquiri o hábito de ler no ônibus. Mas estava em uma época complicada, fui acometido de uma síndrome que apelidei de Síndrome do meio da história. Comecei vários livros: Os Segredos dos Roteiros da Disney de Jason Surrel, Peixe Grande de Daniel Wallace, um livro de contos de Fitzgerald, O Retrato de Dorian Gray e até mesmo o segundo livro da saga de Harry Potter. Todos, parei da metade para trás. Não dava seqüência, não me prendia nas histórias.

Eis que O Clube do Filme, de David Glimour, mudou essa situação. Concentrando no livro, quase perdi o ponto para descer, várias e várias vezes. Torcia para que o ônibus demorasse, ficasse preso em semáforos fechados e congestionamentos só para não perder o pique, ler mais e mais páginas. O livro, autobiográfico, conta a história da Gilmour, um crítico de cinema cinquentão, e seu filho Jesse, um adolescente de 15 anos.

Jesse vai mal nos estudos e acha que ir para a aula é um verdadeiro martírio. Seu pai vê essa situação e não se conforma com o “sofrimento” do filho. Então, faz a ele uma proposta indecorosa: não precisar mais ir a escola, desde que assista 3 filmes por semana com o ele. O menino não hesita, aceita na hora. Ou seja, Glimour propôs para seu filho receber educação exclusivamente pelos filmes. Simples assim.

E se Gilmour e Jesse tiverem razão? Será mesmo que nosso modelo de ensino é tão bom assim? Será que a escola ensina como pensar ou impõem coisas em que você tem que pensar?

http://www.salvearainha.com/muito_alem_da_sala_de_aula