27 de jan de 2010

Na falta de comida, haitianos comem "bolachas de barro"

Postado por Zoi de Tandera



Mulher preparando bolachas de barro. Para alguns, a única fonte de renda, e para muitos outros, única fonte de alimento.

A situação social no Haiti sempre foi tensa, uma vez que é uma das nações (se não a mais) pobre de todas as Américas. E a coisa está mais tensa agora, depois do terremoto.

A comida nesse país sempre foi uma coisa cara. Um exemplo disso é que um copo de arroz custa 30 centavos de Dólar. Os únicos seres gordos são os ratos, que se fartam com os cadáveres vítimas da miséria e da guerrilha. Carne, então, é um luxo raríssimo. A pouca carne consumida vinha de cães, gatos e pássaros capturados, mas até esses se tornaram raros. Os ratos estão se proliferando e engordando por causa dos cadáveres, mas são difícies de capturar.

Então, como os haitianos estão sobrevivendo? Comendo bolachas de barro. Isso mesmo, e "barro" não é uma alegoria para "chocolate" ou "melado". Barro é de barro mesmo, aquela terra molhada que em dias de chuva suja nossas botas e calças, com a qual você fazia bolos quando era criança e que a sua mãe nunca te deixava experimentar.

A "iguaria" é batizada de Té. Uma mistura de terra (normalmente retirada das ruas, ou até mesmo dos escombros), água suja, banha e óleo, raramente guarnecida de sal (um raríssimo artigo de luxo na atualidade). Depois de misturados os ingredientes, a pasta de cor clara é peneirada, conformada em forma de discos e colocada para cozinhar ao escaldante sol, em tabuleiros improvisados de plástico, zinco, cobre e ferro, todos muito sujos. Durante o cozimento improvisado, a massa incha, seca e endurece. O resultado final é uma bolacha crocante, extremamente seca, com forte sabor de terra gordurosa, levemente adocicada. Também causa secura imediata da boca e garganta, deixando quem come desesperadamente sedento (vale ressaltar que a água lá normalmente é de má qualidade, e para alguns haitianos também é artigo de luxo). Mas para muitos, o Té é a única refeição do dia. Cada bolacha de barro custa, em média, 5 gourdes (aproximadamente R$0,23).


A indigesta pasta sendo colocada para assar.

As cirurgias gástricas no país aumentaram muito nos últimos tempos. O paciente chega ao hospital reclamando de dores e dificuldade de evacuar. Isso porquê o biscoito de barro vira um tijolo nos estômagos famintos dos haitianos. As cirurgias revelam exatamente isso, blocos sólidos alojados nos estômagos e intestinos das pessoas.

As bolachas de barro não são uma invenção de faméricos haitianos sem-teto por causa dos terremotos. São uma invenção secular, usada como saída para os haitianos mais pobres, que não tem condição de comprar comida. E pelo jeito, a geofagia (ato de comer terra) vai continuar durante um bom tempo por lá.

2 comentários:

Poison disse...

Nossa, que horror... dó ver essas coisas né.. em um planeta tão rico, tantas pessoas passam fome desse jeito... é muito triste...

kassia oliveira disse...

nossa isso é o cumulo...mas tudo isso vai mudar se deus quizer? E ele que. por isso vai mudar e as coisas vão ser melhor!!!