19 de out de 2010

Os melhores fondues e chocolates

Postado por Costela


Para os menos informados estou num congresso em Gramado, e vou ficar aqui a semana toda.
Acordei às 5 e meia da manhã para pegar o avião. Tarefa quase hercúlea depois de ficar até às 3 arrumando a minha mala.

Peguei o avião às 9 em Confins (do Judas...nem é...puroBRIMKS). Como sempre alguma coisa teeeeeeem que dar errado. Dessa vez foi até leve. A empada de frango não era de frango. A parada tinha azeitona e pela regra das proporções palatares TUDO ficou com gosto de azeitona. Até a coca que eu estava bebendo tinha gosto de azeitona. Regra das proporções palatares: Tudo que contiver azeitona, arliche, queijo roquefort e/ou alho torrado vai ficar com gosto predominante daquela substância. E não adianta chorar e nem bater o pezinho.

Entrei no avião e é claaaaaaro que a minha poltrona não era das melhores. Fiquei entre um tiozinho de ombro largo e uma dona Maria com cara de bunda. Vou esconder o nome da dona Maria pra manter a anonimidade da mesma, e vou chamá-la a partir de agora de VACA! A Vaca estava com aquela característica cara de cú mal lavado olhando pra mim, e percebeu de relance que eu estava concentrado na paisagem abaixo do avião. Só de sacanagem a Vaca fechou a janelinha e olhou pra mim com ar de deboche. Dei-lhe uma risadinha pensando cácos meus botões “vou quebrar o galho dessa biscate”. Ela entendeu que o tempo ia fechar e a cara de bunda piorou substancialmente a partir daí. Eu juro que achei que a cara dela fosse virar ao avesso de tão ruim que estava. Bom, minha vingança foi maligna. Eu sei que, se eu dormir de boca aberta meu ronco se sobrepõe facilmente ao peido de uma hipopótama no cio. Cheguei a boca perto do escutador de novela da megera e abri a boca. O sono foi constante e a dor da cabeça da Vaca já estava garantida pelo resto do dia. O ronco foi tão sinistro que minha garganta chegava a doer no desembarque. Mission accomplished.

E é no desembarque que vemos como o ser - humano é desordenado. Cheguei em Congonhas e sem aviso prévio mudaram o portão da nossa conexão á Gramado. Resultado: tem um monte de mongol andando no saguão sem saber o que fazer. Chega a ser engraçado ver uma tiazinha desesperada achando que perdeu o vôo e vai ficar presa em Sumpaulo. Imagina que tiazinha é? Isso mesmo. Aquela do ronco. Ela tá aqui na minha frente perdidinha sem saber que é só olhar pro painel acima de sua cabeçorra e o portão novo estará lá. LOSER!

O texto fica aqui pois liberaram nosso embarque. Engraçado né? A poltrona é marcada meuzamigos. Não precisa ficar em pé que nem retardado esperando. E eu achava que era só em rodoviária que dá gente feia. Eu tava errado. Em aeroporto também dá muita gente derrubada.

2 comentários:

Anônimo disse...

é aliche, não arliche ;)

Marcello disse...

Cara, tô rindo até agora.

Bom Congresso e bom retorno à BH.