21 de nov de 2010

Código de conduta da pirataria

Postado por Zoi de Tandera



As leis do código civil pirata já são usadas há muito tempo, desde o meu tátátátátátátátátátátátátá...[x452]...tátátátáravô!!!

A vida de um pirata não era épica como mostra o cinema. Quem se aventurava em empreitadas no mar não vivia a base de rum, com cortesãs à sua volta e em festas no barco todo dia. O dia-a-dia era duro, a alimentação era precária, a água turva, malcheirosa e extremamente racionada, eles passavam semanas comendo só bolachas roídas por baratas, e quando esta faltava, chegavam ao ponto de comer serragem e couro amolecido em água do mar. A higiene era quase inexistente, doenças se alastravam rapidamente, machucados se infeccionavam brutalmente, e com isso, simples ferimentos culminavam em amputações. Sem contar com a convivência à bordo: o marasmo de passar semanas ou meses direto em alto-mar fazia com que o tédio se tornasse insuportável, assim, qualquer discussão simples poderia se tornar uma briga feia, uma carnificina ou até um motim. Para tentar controlar os ânimos, muitos capitães piratas famosos criaram códigos de conduta para seus subordinados, normalmente chamados de "códigos civis":

1 - Todos os homens à bordo, desde o capitão até eventuais prisioneiros devem obedecer ao código civil;

2 - Todo homem, excluindo prisioneiros, tem direito de voto em momentos de decisão que envolvem toda a tripulação;

3 - Todos receberão iguais porções de provisões, como comida, água, bebidas, tabaco e outros, e poderão usar estas como bem entender, excluíndo momentos de racionamento de provisões (o que não era incomum à bordo);

4 - Os tripulantes só poderão ser chamados em seu turno, conforme lista, pois fora dele está livre para descansar ou fazer o que bem entender, desde que não ultraje as regras do código;

5 - Quem defraudar a companhia (como era chamada a "empresa" que representava o navio pirata) em valores altos, tentar fugir ou esconder algum segredo da tripulação receberia o castigo chamado marooning (ser abandonado em um banco de areia em alto-mar) com uma garrafa d'água, uma pequena arma, pólvora e munições. Se o valor for pequeno, terá uma orelha ou o nariz cortado e será abandonado em uma ilha também abandonada, mas um pouco mais "vivível";

6 - Se algum pirata for capturado e seguir o código civil do seu navio de origem sem o consentimento do capitão e da tripulação sofrerá o castigo que estes decidirem.

7 - Jogos de azar envolvendo dinheiro são proibidos à bordo;

8 - Quem jogar envolvendo valores superiores à um Peso ou roubar valor igual será maroonado, porém portando uma arma e uma única bala;

9 - Todas as armas de fogo, facas, espadas, machados e qualquer outro instrumento de combate deve ser mantido sempre limpo e pronto para ser usado;

10 - O homem que ficar noivo sem o consentimento da tripulação, se esquecer de suas funções ou não mantiver suas armas prontas para o combate sofrerá a punição que a tripulação escolher;

11 - Ninguém pode abandonar a pirataria antes de juntar 1000 Libras.

12 - Pendengas entre membros da tripulação devem ser resolvidas única e exclusivamente em terra firme, em um duelo de espadas ou de pistolas. No primeiro caso, perde quem sangrar primeiro, e no segundo, quem for atingido;

13 - Divisão de tesouros, como ouro, prata e jóias:
a) O capitão tem direito à duas partes;
b) O contramestre, o mestre-armeiro, o cozinheiro e o carpinteiro tem direito à uma parte e meia;
c) Os outros oficiais menores tem direito à uma parte e um quarto;
d) Os outros homens, excluíndo prisioneiros, tem direito à uma parte.

14 - Se um homem perder seu casamento e conseguir provar que a causa foi o tempo que ficou no mar, deve ser indenizado em 400 Libras;

15 - Se um membro da tripulação conhecer uma mulher prudente e se intrometer com ela sem o consentimento desta (trocando por miúdos: estuprar uma mulher de bem, mãe de família) deverá sofrer morte certa;

16 - Indenizações por perda de membros e invalidez:
a) Perda do braço direito: 600 Pesos ou oito escravos;
b) Perda do braço esquerdo: 500 Pesos ou cinco escravos;
c) Perda da perna direita: 500 Pesos;
d) Perda da perda esquerda: 400 Pesos;
e) Perda de um olho: 100 pesos ou um escravo
f) Perda de qualquer dedo: 100 Pesos;
g) Invalidez: 800 Pesos;
(nota: cada Peso valia aproximadamente 0,96 Dólares atuais, o que era muito dinheiro na época. Por exemplo, com 10 pesos se podia comprar uma pequena manada de gado)

17 - Os desertores serão punidos com o marooning ou com a morte;

18 - Quem avistar primeiro no Horizonte um navio apto a ser atacado e pilhado tem direito de usar, para o ataque, a melhor pistola e a melhor espada à bordo;

19 - Crianças e mulheres são proibidas à bordo. Quem tentar embarcar qualquer um destes disfarçado será punido com a morte;

20 - Quem desrespeitar as leis deste código será punido com a Lei de Moisés, desde que a punição não esteja escrita junto ao código (a Lei de Moisés é receber 40 chibatadas nas costas desnudas, sem faltar nenhuma);

21 - Quem fumar tabaco no porão sem usar tampa no cachimbo ou usar uma vela sem lanterna sofrerá a Lei de Moisés.

22 - Quem encontrar qualquer ouro, prata, jóias e outros bens valiosos que não foram identificados e divididos entre toda a tripulação terá 24 horas para devolvê-lo ao capitão. Quem não fizer isto sofrerá a punição que a tripulação escolher.

23 - Quem for pego bêbado em seu turno de serviço sofrerá a punição que a tripulação escolher.

24 - Todas as velas e tochas devem ser apagadas às oito horas, e só devem ser acendidas novamente em caso de necessidade. Se alguém quiser continuar conversando ou bebendo depois deste horário o deve fazer no convés.

25 - Quem planejar um motim ou liderar um motim que fracassar será deixado à deriva em um bote, sem provisões nem armas.

26 - O homem fica para trás é deixado para trás.

Dentre os castigos que a tripulação escolhia, os mais comuns eram humilhações diversas, incluindo algumas de cunho sexual, o keelhauling (amarrar uma corda nos pulsos e tornozelos de alguém, formando um anel, jogar a corda por baixo do navio e então puxar esta corda para que a pessoa fique dando voltas por debaixo d'água), "ser posto na cama com a filha do capitão" (o termo filha do capitão significava um chicote de couro com nove caudas, e ser posto na cama por ela significava apanhar até ficar acamado) e também o dance the hempen jig, um dos piores castigos que um pirata podia sofrer. Isto significava ser pendurado em uma jiga de cânhamo (uma corda com um nó de forca - é, a corda era feita disso mesmo que você imaginou), e ser enforcado sem sofrer a quebra de pescoço proporcionada pela queda. Ou seja, a pessoa ficava pendurada e "dançando" até se sufocar, o que poderia durar muito tempo.

Mesmo sendo um código brutal, pode-se notar que este foi quase o primórdio dos códigos e leis trabalhistas atuais, em especial no que diz respeito às indenizações. Este também trazia uma sensação de justiça a bordo, pois ninguém seria julgado única e exclusivamente pelo capitão, e sim sofreria os castigos e sanções que o código propõe.

Nenhum comentário: