28 de fev de 2011

Analisando as mais belas cantigas infantis

Postado por Zoi de Tandera

Se continuar do jeito que tá, daqui a pouco bricadeira de roda vai ser isso aí

Depois que a gente fica velho começamos a nos lembrar de várias coisas que fazíamos quando crianças e ficamos nos perguntando: "velho, será que minha mãe botava ácido no meu leite?", porquê simplesmente não fazem nenhum sentido lógico. Crianças são sem noção por definição, e se divertem com coisas completamente retardadas. Claro, não melhora muito depois de velho, mas mesmo assim, não fazem sentido.

Por exemplo, histórias infantis. Na época era o máximo a história onde os pais de duas crianças as abandonam na floresta, elas enconrtram a casa de uma velha senhora, comem a moradia dela, jogam ela viva em um forno e roubam o tesouro dela, levando de volta para seus pais desnaturados. Como é que isso pode ser bom na formação de uma criança? Depois pergunta porquê que menino de 10 anos entra armado em colégio e mata todo mundo... Mas isso é história pra outra postagem.

Outra coisa: cantigas infantis. O que tem na cabeça de pais que ensinam essas músicas doentias pra uma criança? Se é pra foder geral a mente da criança, porquê eles não dão metanfetaminas pra ela e a colocam pra assistir Sexta-feira 13? Vamos analisar as mais belas cantigas que recitamos em nossa tenra infância:


Exemplo 1 - "Sambalelê"

"Sambalelê tá doente,
Tá com a cabeca quebrada,
Sambalelê precisava
é de umas boas palmadas!
Samba-samba-sambalelê
Mexe-mexe-sambalalá!"

Primeiro de tudo, esse nome ridículo: Sambalelê. Tem mãe que faz sacanagem com os filhos, e tem a mãe desse cara. Poisentão, Sambalelê tá doente e com a cabeça quebrada, ou seja, ele tá correndo risco de morte, e ninguém leva ele pro hospital? Que absurdo! E pra piorar, tão querendo bater nele? Ou seja, uma situação de abandono infantil com agressão! E pra fuder com a merda toda, essa pobre criança é obrigada a dançar, mesmo humilhada, doente, seriamente ferida e agredida! Imagina as sequelas que vão dar ao dançar samba com um traumatismo craniano agravado com palmada? Onde é que esse mundo vai parar?
Criança machucada não precisa de palmada. Criança machucada precisa de assistência médica, dignidade, carinho e leite com Toddy. Tomara que o Conselho Tutelar intervenha na questão.


Exemplo 2 - "Cuca" ou "Nana Neném"

"Nana neném,
Que a Cuca vem pegar
Mamãe foi pra roça
Papai foi trabalhar"

Primeiro de tudo, como é que se espera que uma criança durma sabendo que um monstro mitológico com um nome ridículo tá vindo pegar ela? Se fosse eu, eu já ia armar uma barricada com meu colchão e afiar uns cabos de vassoura pra fazer umas lanças, e se a Cuca quiser vir me pegar, ela que venha armada!
E essa história de "mamãe foi pra roça"? A expressão "ir pra roça" é equivalente a "pular a cerca" ou "costurar pra fora", então, além de ser induzida a sofrer de mania de perseguição, a criança sofre com o abandono por parte de uma mãe que a deixa à própria sorte para ser adúltera! Que absurdo!


Exemplo 3 - "Se essa rua fosse minha"

"Se essa rua, se essa rua fosse minha,
Eu mandava, eu mandava ladrilhar,
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhantes,
Para o meu, para o meu amor passar!

Nessa rua, nessa rua tinha um bosque,
Que se chama, que se chama Solidão,
Dentro dele, dentro dele mora um anjo,
Que roubou, que roubou meu coração!"

Como assim "se essa rua fosse minha"? As ruas são bens públicos! E o eu-lírico tá querendo se apoderar delas? Tomar posse de bens públicos é crime previsto no Código Penal, no artigo 312 com o nome de Peculato, punível com 2 a 12 anos de cadeia.
E essa história de cobrir uma rua de brilhantes? Não seria melhor cobrir de asfalto as ruas sem pavimentação de bairros afastados, trazendo assim dignidade e melhoria na vida de seus moradores? Nãããããããããããão, vamos ensinar nossos filhos a esbanjar dinheiro, não? Depois pergunta porquê sua filha tá chorando porquê não ganhou um colar de pérolas no aniversário de 5 anose tá virando essa besta fútil! E cobrir uma rua de brilhante só pro amor do eu-lírico passar? Ou seja, ensina desde criança a seu filho a ser capacho de mulher! É isso que você quer que seu filho seja, seu pai desnaturado?
Outra coisa é esse "anjo" do bosque. Porra, o cara mora sozinho em um bosque chamado "Solidão" e rouba o coração dos outros? Isso tá mais pra história de terror do que canção de ninar!


Exemplo 4 - "Atirei o pau no gato"

"Atirei o pau no gato-to
Mas o gato-to
Não morreu-reu-reu
Dona Chica-ca
Adimirou-se-se
Do berro, do berro
que o gato deu
MI-AU!"

Essa é uma das piores. Primeiro de tudo, a agressão contra animais. O eu-lírico atira um objeto contra um indefeso animal, e não se dando por satisfeito, o meliante reclama de não ter alcançado o doentio objetivo, que é óbito do animal. Ainda, uma segunda meliante, conhecida por sua alcunha de Dona Chica (com certeza um artifício que se consiste em ter um nome de uma adorável senhora para não levantar suspeitas) não faz nada, cometendo um crime de omissão de socorro ao animal, e ainda se sente admirada com os gemidos de dor do pobre bichano. Admirado estou eu de tal cantiga doentia não ter sido censurada!

Só um pequeno adendo: quando eu era criança, eu achava que "Do berro" era "Duberraux", e não entendia o que significava essa palavra em Francês.


Exemplo 5 - "Ciranda, Cirandinha"

"Ciranda, cirandinha
vamos todos cirandar!
Vamos dar a meia-volta
Volta-e-meia vamos dar!

O anel que tu me destes
Era vidro e se quebrou!
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou!"

Vamos começar pelo fragmento "vamos todos cirandar". Induz a criança a seguir a massa, desprovendo-a de senso crítico e opnião própria, fazendo que ela se torne um zumbi consumista que segue a mídia capetalista porca, sem alma e sem coração. Tem também isso de "vamos dar a meia-volta, volta-e-meia vamos dar". Muito parecido com as palavras de ordem que são dadas à batalhões em marcha, seria talvez uma estratégia do governo para já ir acostumando as crianças à seguir esse tipo de ordem para que no futuro elas possam engrossar as fileiras de soldados?
E tem isso de "o anel que tu me deste". Seria anel uma metáfora para ânus? Então esse fragmento seria uma mensagem subliminar pornográfica sobre o bestialismo? A suposta "canção educativa" também fala sobre vidro quebrado como se nada fosse, sendo que deveria educar as crianças a não mexer com vidro quebrado, pois isso pode fazer com que elas coloquem cola na mistura, fazendo assim o temido cerol, que vitima centenas, milhares de pobres motoqueiros nas ruas e avenidas do Brasil.
Podemos também citar isso de "O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou". Induz a criança a pensar que amar pode ser perigoso e traz desilusões e sofrimento, fazendo com que ela pense que não se deve amar, e com isso talvez ela se torne um alguém solitário e triste, incapaz de nutrir sentimentos nobres como a amizade e o amor.

A lista é colossal. Podemos citar "Boi da cara preta" (nutre o ódio racial por intermédio de metáforas), "Pombinha branca" (trabalho não-remunerado e indução à preguiça), "De abóbora faz melão" (manipulação genética sem ética visando a modificação de espécies vegetais, podendo gerar catástrofes naturais), "Marcha soldado" (indução ao medo das práticas nas Forças Armadas, criando assim uma imagem negativa de um dos órgãos mais importantes do governo), dentre várias outras.

Mas ainda bem que existem boas cantigas. Uma delas é a maravilhosa "Chatuba de Ninar", belamente executada por Gregório Duvivier:


Que letra linda! Que belos ensinamentos! Isso sim é puro concreto para construir uma base sólida na educação infantil!

2 comentários:

Anônimo disse...

como vc conseguiu forcar a barra no exemplo 4 heim??? caralho vai pra puta que pariu

Anônimo disse...

Adorei, parabéns, se a população tivesse essa consciência a sociedade poderia estar um tanto quanto melhor!